Por Yasmim Verdadeiro Augusto

O Transtorno do Espectro Autista (TEA), popularmente conhecido como autismo, é um transtorno do neurodesenvolvimento e seu espectro engloba uma variedade de sintomas e graus de severidade, que incluem déficit na comunicação e/ou interação social (como nas linguagens verbal ou não verbal e na reciprocidade sócio emocional) e padrões restritos e repetitivos de comportamento (como movimentos contínuos, interesses fixos e hipo ou hipersensibilidade a estímulos sensoriais). 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), existem cerca de 70 milhões de pessoas no mundo com TEA. Em vista disso, a conscientização sobre o transtorno é algo necessário a fim de melhorar a qualidade de vida das pessoas com autismo em todo o mundo. Para tanto, diversos símbolos são usados e iniciativas são postas em prática para dar visibilidade e promover a inclusão das pessoas com TEA. 

Quebra-cabeça

Esse é o mais antigo símbolo do autismo, porém, é o menos aceito atualmente.

Esse símbolo foi criado em 1963 pela Autism Society e popularizado pela Autism Speaks, e representa uma peça de quebra-cabeça desencaixada com a imagem de uma criança chorando, com o intuito de mostrar que as pessoas com autismo sofrem com sua condição e que não se encaixam na sociedade. No contexto em que foi produzido, o símbolo entrava em consonância com o rótulo que o autismo tinha, visto que não era aceito na sociedade e era considerado uma deficiência mental. 

Contudo, com o tempo, o símbolo deixou de ser adotado e foi substituído por quatro peças de quebra-cabeça encaixadas, visando representar a complexidade do autismo e seus diferentes espectros que se encaixam, formando o TEA. Mas ainda assim esse símbolo não foi muito aceito pela sociedade, isso porque as pessoas entendem que o quebra-cabeça é um símbolo daquele que não se encaixa na sociedade e que evidencia muito mais a dificuldade de compreensão das pessoas no espectro do autismo do que uma tentativa de conscientização. 

Em vista disso, muitos autistas consideram que essa interpretação traz mais prejuízos à causa do que ajuda no entendimento do TEA. Ainda assim, esse é um dos símbolos mais conhecidos e reconhecidos pela sociedade, usado para apoiar a causa e promover a aceitação do TEA. 

Fita de quebra-cabeça

Esse símbolo universal, também conhecido como fita da conscientização ou fita do autismo, foi criado em 1999, sendo uma fita formada por peças coloridas de quebra-cabeça, cujo objetivo é conscientizar sobre o TEA. 

As peças do quebra-cabeça que compõem a fita em diferentes cores representam a diversidade de famílias que têm integrantes autistas, buscando incentivar o aspecto da inclusão social. Já, a vivacidade das cores empregadas nessas peças simboliza a esperança em relação às intervenções e à conscientização da sociedade como um todo, visando-se a conquista da inclusão social das pessoas que fazem parte do espectro. 

Apesar desse símbolo conter peças de quebra-cabeça, não muito aceitas pela comunidade autista, esse é o símbolo da Sociedade do Autismo, além de ser o símbolo mais usado para representar o TEA. Ademais, esse símbolo é empregado em locais onde as pessoas com autismo têm seus direitos garantidos (como em atendimentos preferenciais, vagas de estacionamento, entre outros).

Cor azul

A relação da cor azul com o autismo se originou com a Associação de Defesa do Autismo (cuja cor primária é o azul), conhecida como Autism Speaks, já que sua campanha Light it Up Blue (Ilumine em Azul) pede que as pessoas usem azul no dia 2 de abril no Dia Mundial da Conscientização do Autismo. Além disso, essa cor está associada a um sentimento de calma e aceitação em um mundo barulhento e agitado para pessoas do espectro.

Ademais, a cor azul busca representar a maior incidência do TEA no sexo masculino, já que para cada 4 meninos, existe 1 menina no espectro.

Logotipo da neurodiversidade

Esse símbolo foi criado pelas pessoas com TEA e é o mais aceito pela comunidade, representando um uso alternativo à fita do quebra-cabeça. Ele consiste em um sinal do infinito nas cores do arco-íris, visando celebrar a esperança e a diversidade de expressão dentro do espectro. 

Entretanto, esse símbolo não é bem aceito por todos os constituintes da comunidade, pois ele é visto por alguns como muito passivo e facilmente inundado por pessoas que afirmam que a neurodiversidade está tentando atrair a comunidade LGBTQIA+ para a aceitação em vez de buscar uma identidade própria.

Uso de símbolos em documentos e atendimentos preferenciais

Em virtude da Lei 13.977, de 2020, batizada como Lei Romeo Mion (nome do filho do apresentador Marcos Mion e que tem TEA), houve a criação da Carteira de Identificação da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista (Ciptea). Essa carteira deve assegurar às pessoas com TEA atenção integral, pronto atendimento e prioridade no atendimento e no acesso aos serviços públicos e privados, em especial nas áreas de saúde, educação e assistência social. 

A Ciptea é expedida pelos órgãos estaduais, distritais e municipais que executam a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Para adquirir a carteira, a família deve apresentar um requerimento acompanhado do relatório médico com a indicação do código da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID). 

Além da carteira, é possível que a pessoa com TEA tenha a inclusão do símbolo do autismo em seu documento de identidade. Em alguns estados, como no Rio Grande do Sul, o símbolo incluído é a fita do quebra-cabeça em fundo azul, localizado no canto superior direito do documento. Já, em outros, como em São Paulo, o símbolo utilizado é o de um cérebro (uma das quatro classificações adotadas pelo CID nacional), visto que o autismo é um transtorno no neurodesenvolvimento. 

Vale ressaltar que essa identificação no RG não é obrigatória, basta a pessoa solicitar a inclusão dessa informação no documento. Por outro lado, a pessoa também pode solicitar que essa informação seja excluída a qualquer momento.

Além disso, a fita de quebra-cabeça também é utilizada como símbolo para indicar atendimento preferencial em filas de supermercados e farmácias para pessoas com TEA. Este símbolo também pode aparecer em placas de sinalização e em pinturas de vagas de estacionamento, indicando que as pessoas com Transtorno do Espectro Autista têm prioridade.

Essa inclusão já é obrigatória, por exemplo, na cidade de Itapetininga, em que a lei municipal 6.441 criou a Carteira Municipal de Identificação do Autista (CMIA), estabelecendo prioridade no atendimento de pessoas com TEA nos comércios e serviços de saúde, e exclusividade de vagas.Essa iniciativa também é visível na cidade de Campinas, no Parque Dom Pedro Shopping, que há quase um mês colocou em operação a reserva de vagas de estacionamento para facilitar o acesso de pessoas com TEA e seus acompanhantes. As seis entradas do centro de compras – que é o primeiro da cidade a colocar em prática a iniciativa – passaram a contar com o total de 12 vagas inclusivas que foram identificadas com o símbolo mundial do TEA, a já mencionada fita com peças multicoloridas de quebra-cabeça, no chão e nas placas de sinalização.

Dessa forma, os símbolos do autismo, apesar de eventualmente serem criticados, auxiliam na inclusão social através da busca de conscientização da sociedade acerca do TEA, visando sempre lutar contra o preconceito. Além disso, auxiliam as pessoas com Transtorno do Espectro Autista a terem seus direitos garantidos através da disponibilização desses símbolos em locais públicos e documentos, visando garantir a acessibilidade. 

Referência das informações e das imagens:
  • BANDEIRA, Gabriela. Símbolos do Autismo: saiba quais são e os significados. saiba quais são e os significados. 2021. Disponível em: https://www.genialcare.com.br/blog/simbolos -do-autismo. Acesso em: 21 out. 2021.
  • ITAPETININGA, Prefeitura Municipal de. Símbolo do autismo é incluído nas vagas preferenciais. 2021. Disponível em: https://www.itapetininga.sp.gov.br/noticia/4216/simbolo -do-autismo-e-incluido-nas-vagas-preferenciais-/. Acesso em: 21 out. 2021.
  • LEGAL, Autismo. RG com identificação do autismo. 2020. Disponível em: https://blog.autismo legal.com.br/rg-deficiente/. Acesso em: 21 out. 2021.
  • NEUROSABER. Quais os Símbolos que representam o autismo? 2020. Disponível em: https://institutoneurosaber.com.br/quais-os-simbolos-que-representam-o-autismo/. Acesso em: 21 out. 2021.
  • PERÍCIAS, Instituto-Geral de. Símbolo do autismo já pode ser impresso na carteira de identidade. 2021. Disponível em: https://igp.rs.gov.br/simbolo-do-autismo-ja-pode-ser-impresso -na-carteira-de-identidade. Acesso em: 21 out. 2021.
  • REDAÇÃO. Shopping de Campinas cria vaga preferencial para autistas. 2021. Hora Campinas. Disponível em: https://horacampinas.com.br/shopping-de-campinas-cria-vaga-preferencial-para-autistas/. Acesso em: 22 out. 2021.
  • SETÚBAL, Dr. José Luiz. Símbolos que representam o autismo, saiba o significado. 2018. Disponível em: https://institutopensi.org.br/simbolos-que-representam-o-autismo-saiba-o-sig nificado/. Acesso em: 21 out. 2021.